Vol.44 n° 1


Quimioterapia primária em câncer de mama localmente avançado: Estudo comparativo entre dois esquemas terapêuticos com intensificação de doses
Primary chemotherapy in locally advanced breast cancer: Comparative trial of two regimens with dose intensification

Maurício Magalhães Costa1, Jesus Cardenas2, Aura Erazo3, Cacilda Furtado4, Roberto Calmon5, Jacir Luiz Balen4

Resumo

Realizou-se um estudo clínico prospectivo, fase III, multicêntrico, aberto, aleatório e comparativo. Foram avaliadas 60 pacientes portadoras de câncer de mama localmente avançado, estádio IIIA, divididas em dois grupos. As pacientes foram submetidas à quimioterapia primária, com ou sem intensificação de dose, por quatro ciclos, e à cirurgia.

Utilizou-se o protocolo FEC 50 no Grupo A (5-FU 500 mg/m2, epirubicina 50 mg/m2 e ciclofosfamida 500 mg/m2) e o FEC 100 no Grupo B (5-FU 500 mg/m2, epirubicina 100 mg/m2 e ciclofosfamida 500 mg/m2).

Foram analisados, durante a quimioterapia, o estado geral, variação ponderal, alopécia, alterações digestivas, hematológicas e cardiotoxicidade. Após a quimioterapia avaliou-se a resposta tumoral clínica e, na peça cirúrgica, a resposta anatomopatológica.

A resposta clínica objetiva (resposta completa e resposta parcial) nos grupos A e B foi 93% e 96%, respectivamente. Os resultados foram similares, porém no Grupo B houve um percentual maior de respostas clínicas completas .

Avaliou-se a doença residual no sítio primário e nos linfonodos axilares. No Grupo A houve 4 (13%) casos de resposta anatomopatológica completa, 12 (40%) de tumor residual microscópico e 14 (47%) de tumor macroscópico. No Grupo B ocorreram 10 (33%) casos de resposta anatomopatológica completa, sete (23%) de tumor residual microscópico e 13 (44%) de tumor macroscópico.

Concluiu-se que a quimioterapia primária proporcionou resposta clínica e anatomopatológica maior no grupo com intensificação de dose. A toxicidade, tolerável e reversível, foi mais acentuada no grupo de altas doses.


Palavras-chave: câncer de mama localmente avançado; quimioterapia primária; intensificação de dose

Trabalho realizado no Hospital Universitário Clementino Fraga Filho - UFRJ.
Trabalho laureado pela Academia Nacional de Medicina com o Prêmio Mme. Durocher 1997.
1 Doutor em Ginecologia pela UFRJ. Responsável pelo Setor de Oncologia Ginecológica do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho da UFRJ;
2 Serviço de Oncologia Clínica - Colima - México;
3 Serviço de Oncologia Clínica - Universidade do México;
4 Centro de Pesquisas em Oncologia - Santa Catarina;
5 Chefe do Serviço de Oncologia Clínica - HUCFF-UFRJ;
6Professor Adjunto e Doutor em Ginecologia - UFRJ. Responsável pelo Setor de Mastologia - IG-UFRJ.

Endereço para correspondência: Maurício Magalhães Costa - Centro Médico Sorocaba - Rua Sorocaba, 464/401 - 22271-110 - Botafogo - Rio de Janeiro - RJ


Revista Brasileira de Cancerologia - Volume 44 n°1 Jan/Fev/Mar 1998