Prevenção - 2022

Câncer, dá para prevenir?


Última modificação: 01/06/2022 | 11h55

O câncer não tem uma causa única. Fatores ambientais e comportamentais aumentam o risco de desenvolvimento da doença.

Você sabia que o consumo de álcool, o excesso de peso corporal, o consumo de carne processada e a inatividade física aumentam o risco de câncer?

Sim, há pelo menos 12 tipos de câncer que estão associados a esses fatores!

Essa relação precisa se tornar conhecida.

Pesquisas internacionais e nacionais, que incluíram a população brasileira, apontam um baixíssimo reconhecimento dos fatores de risco para o câncer na sociedade. Ou seja, a maioria das pessoas não sabe que é possível prevenir o câncer, nem muito menos como.

Peso corporal

Para a prevenção do câncer, o INCA recomenda que, ao longo da vida, a população mantenha o peso corporal dentro dos limites recomendados de índice de massa corporal (IMC) (Clique aqui e saiba como calcular seu peso ideal). O limite saudável para adultos é o IMC de 18,5 a 24,9 kg/m².

Comparando os dados da Pesquisa de Orçamento Familiar de 2008-2009 (abre em nova janela) e da Pesquisa Nacional de Saúde de 2019 (abre em nova janela), observamos que a prevalência de excesso de peso em adultos com idade ≥20 anos, que dependem exclusivamente do SUS, aumentou de 47% para 58% em homens, e de 48% para 59% em mulheres.

Os gastos totais com os cânceres que têm associação com o excesso de peso em 2018 foram de R$ 2,36 bilhões no Brasil. Se nada for feito, estima-se que esses valores serão de R$ 4,18 bilhões em 2030 e de R$ 5,66 bilhões em 2040. Do montante gasto em 2018, R$ 61,03 milhões foram atribuídos exclusivamente ao excesso de peso corporal.

Bebida alcoólica

Para a prevenção do câncer, o INCA recomenda evitar o consumo de qualquer tipo e quantidade de bebida alcoólica, pois não há limite seguro de ingestão. Comparando os dados da Pesquisa Nacional de Saúde de 2013 e 2019 (abre em nova janela), observamos que a prevalência de consumo de bebida alcoólica (qualquer quantidade), em adultos com idade ≥20 anos que dependem exclusivamente do SUS, aumentou de 50% para 96% em homens, e de 23% para 97% em mulheres.

Os gastos totais com os cânceres que têm associação com o consumo de bebida alcoólica em 2018 foram de R$ 1,7 bilhão no Brasil. Se nada for feito, estima-se que esses valores serão de cerca de R$ 3 bilhões em 2030 e de R$ 4 bilhões em 2040. Do montante gasto em 2018, R$ 81,51 milhões foram atribuídos exclusivamente ao consumo de bebida alcoólica.

Carne processada

Para a prevenção do câncer, o INCA recomenda evitar o consumo de carnes processadas, tais como presunto, salsicha, linguiça, bacon, salame, mortadela e peito de peru defumado, pois não há limite seguro de ingestão.

Comparando os dados da Pesquisa de Orçamento Familiar de 2008-2009 (abre em nova janela) e 2017-2018, observamos que a prevalência de consumo de carne processada (qualquer quantidade), em adultos com idade ≥20 anos que dependem exclusivamente do SUS, aumentou de 34% para 64% em homens, e de 31% para 60% em mulheres.

Os gastos totais com o câncer de intestino (colorretal), que tem associação com o consumo de carne processada, em 2018 foram de R$ 545,22 milhões no Brasil. Se nada for feito, estima-se que esses valores serão de cerca de R$ 1,03 bilhão em 2030 e de R$ 1,42 bilhão em 2040. Do montante gasto em 2018, R$ 28,02 milhões foram atribuídos exclusivamente ao consumo de carne processada.

Atividade Física

Para a prevenção do câncer, o INCA recomenda ser fisicamente ativo como parte da rotina diária, limitando os hábitos sedentários, como passar muito tempo assistindo televisão e usando o celular ou o computador.

A Pesquisa Nacional de Saúde de 2019 (abre em nova janela) observou que a prevalência de atividade física insuficiente no lazer, em adultos com idade ≥20 anos que dependem exclusivamente do SUS, foi de 70% em homens e de 77% em mulheres.

Os gastos totais com os cânceres que têm associação com a atividade física insuficiente no lazer em 2018 foram de R$ 1,4 bilhão no Brasil. Se nada for feito, estima-se que esses valores serão de cerca de R$ 2,52 bilhões em 2030 e de R$ 3,44 bilhões em 2040. Do montante gasto em 2018, R$ 94,66 milhões foram atribuídos exclusivamente a atividade física insuficiente no lazer.

Prevenção do câncer e investimento no SUS

Este aumento dos fatores de risco vem impactando diretamente o número de casos de câncer que poderiam ser evitados.

Estratégias de prevenção voltadas à promoção da alimentação saudável, da manutenção de peso corporal adequado, da prática de atividade física no lazer e da redução do consumo de bebidas alcoólicas podem evitar os casos da doença, bem como reduzir os gastos com câncer no Brasil.

Políticas ou programas efetivos de prevenção de câncer requerem um conjunto abrangente de ações integradas que incluem ambientes promotores de saúde, ações de educação e aconselhamento nos serviços de saúde e ações integradas intersetoriais. Ações conjuntas têm maior potencial de promover hábitos e escolhas saudáveis e contribuir com a redução do número de casos e mortes por câncer no Brasil, bem como com os gastos associados.

É por isso que o INCA convoca profissionais da saúde e a população a se unirem a esta campanha!

 

Mudar alguns hábitos já é cuidar e prevenir. Começar pode não ser fácil, mas qualquer mudança já traz benefícios!

Se você for um profissional de saúde, incentive e apoie mudanças de hábitos. Cada contato é uma oportunidade para informar e prevenir.

 

Conheça a campanha que o INCA preparou e faça o download das peças para multiplicar essa ideia: Câncer, dá para prevenir!

Compartilhe nas suas redes sociais.

Utilize as hashtags

#CâncerDáPraPrevenir
#EuPrevinoCâncer

Materiais de Campanha

Copyright

Até o encerramento das eleições, diversos materiais do Instituto, como livros, folhetos e cartilhas ficarão indisponíveis.