Causas e Prevenção

Quimioterapia antineoplásica


Última modificação: 14/11/2018 | 13h55

A quimioterapia antineoplásica é amplamente utilizada no tratamento do câncer. Esse tratamento é utilizado em doses o mais próximo possível das doses máximas individuais toleradas e devem ser administrados com a maior frequência possível para desestimular o novo crescimento do tumor. São também  usados no tratamento da artrite reumatoide (metotrexato e ciclofosfamida), doença de Crohn (6-mercaptopurina), transplante de órgãos (metotrexato e azatioprina), anemia falciforme (hidroxiureia), psoríase (metotrexato) e outras condições patológicas não oncológicas.


Formas de exposição

No trabalho:

  • Trabalhadores envolvidos na produção industrial, no armazenamento,  no transporte, no processo de manipulação e administração, no descarte dos resíduos, na limpeza e na manutenção de equipamentos e na limpeza do ambiente (e.g. farmacêuticos, enfermeiros).

Ambiental:

  • A principal fonte de contaminação é o descarte inadequado de quimioterápicos com validade expirada e os resíduos contidos nas embalagens utilizadas em unidades hospitalares ou clínicas  de oncologia.

Principais efeitos à saúde

Os profissionais de saúde são o grupo mais exposto a essas medicamentos e, por isso, podem apresentar risco aumentado de desenvolvimento de agravos a saúde:

Efeitos agudos:

  • Erupções cutâneas

Efeitos crônicos:

  • Infertilidade, abortos espontâneos e malformações congênitas; Leucemia mieloide aguda (bussulfano, clorambucila, ciclofosfamida, melfalano, lomustina, treossulfano, MOPP – mecloretamina, vincristina, procarbazina e prednisona, etoposideo em combinação com cisplatina e bleomicina); Câncer de bexiga (ciclofosfamida); Câncer de pulmão (MOPP).

Medidas de controle

  • As atividades de manipulação de fármacos perigosos, órgãos regulamentadores internacionais e nacional, assim como associações de profissionais da área estabelecem protocolos e guias com orientações para o manuseio seguro desses agentes.
  • Ao processo de preparo dos medicamentos perigosos é exigido o uso de equipamentos de proteção individual (EPI), como a prática de uso de dois pares de luvas estéreis, sem talco e frequentes trocas, uso de uniforme/avental de uso restrito, de manga longa e punho elástico, impermeável e com baixa liberação de partículas, sem abertura frontal e que cubra todo o corpo, gorro ou capuz, propé ou bota antiderrapante, óculos de segurança e máscaras respiratórias.
  • O Emprego de equipamentos de proteção coletiva (EPC), como cabines de segurança biológica (CSB) classe II B2 ou isoladores (Classe III),  uso de dispositivos de transferência em sistema fechado para a manipulação e o preparo em áreas limpas com pressão negativa e dotadas de antecâmaras, tem função de evitar a contaminação dos ambientes por aerossóis provenientes da manipulação, preservando dessa forma a saúde do trabalhador, além de evitar a contaminação do produto e do ambiente externo.
  • Documentação e validação de processos de descontaminação e desinfecção dos equipamentos, dos materiais e do ambiente, de processos em caso de acidentes ambientais e pessoais e do manejo dos resíduos químicos gerados durante todas as etapas do processo de manipulação e administração.

Copyright