Causas e Prevenção

Radiações ionizantes


Última modificação: 31/08/2021 | 14h59

Radiação ionizante é aquela que tem energia suficiente para remover elétrons dos átomos, criando então os íons (INCA, 2021).

As fontes naturais da radiação ionizante são os raios cósmicos e os radionuclídeos provenientes da crosta terrestre, encontrados em locais como no solo, nas rochas, nos materiais de construção, na água potável e no próprio corpo humano. 

Em relação à exposição às radiações por fontes naturais, o radônio merece destaque. Trata-se de um gás natural, sem cheiro, cor ou sabor, que tende a se concentrar em ambientes fechados como minas subterrâneas, residências ou locais de trabalho (INCA 2021, 2012). Uma vez inalado, o radônio é depositado no trato respiratório e está associado ao câncer de pulmão, sendo a segunda causa deste depois do tabagismo (WHO, 2016). Uma forma de se proteger é a manutenção de ambientes ventilados, evitando a concentração desse gás.  

Fontes não naturais, ou produzidas pelo homem, de radiações ionizantes são comumente encontradas nos cuidados em saúde (raios-x, tomografia computadorizada e radioterapia) e na geração de energia (usinas nucleares). 

O risco de câncer proveniente dessa exposição depende da dose, da duração da exposição, da idade em que se deu a exposição e de outros fatores como, por exemplo, a sensibilidade dos tecidos frente aos efeitos carcinogênicos da radiação


Formas de exposição

No trabalho:

  • Indivíduos que trabalham na indústria nuclear ou em torno de equipamentos que emitem radiação (instituições médicas ou laboratórios); trabalhadores em minas subterrâneas de hematita, pela exposição ao radônio.

Ambiental:

  •  Todos nós somos expostos a diferentes intensidades de radiação que inclui aquelas provenientes de fontes naturais ou produzidas pelo homem.

Principais efeitos à saúde

Efeitos agudos:

  • Náuseas, fraqueza, perda de cabelo, queimaduras na pele ou diminuição da função orgânica. Pacientes tratados com radiação frequentemente experimentam os efeitos agudos, devido à exposição em altas doses.

Efeitos crônicos:

  • A radiação pode causar alterações no DNA. O câncer também é considerado um efeito da exposição à radiação, já tendo sido observadas as associações conforme o quadro a seguir:

 

Tipo de radiação Câncer em humanos

Raio X e Raios Gama

Glândula salivar, esôfago, estômago, cólon, pulmão, ossos, mama, bexiga, rim, pele, cérebro e sistema nervoso central (SNC), tireoide e leucemia.

Partículas alfa

Pulmão e leucemia.

Partículas Beta

Tireoide, leucemia, glândula salivar, osso e sarcoma.


Medidas de controle

Recomenda-se o correto planejamento das atividades que serão desenvolvidas em ambientes de trabalho, de forma a diminuir as doses individuais, o número de pessoas expostas e a probabilidade de exposições acidentais. Os equipamentos de proteção Individual e Coletiva (EPC e EPI) devem ser utilizados por todos os trabalhadores (Minas Gerais, 2013).

 

 

Referências Bibliográficas

MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Saúde. Projeto Planalto Poços de Caldas: Câncer e radiação natural: incidência e comportamento de risco. Belo Horizonte: ESP-MG, 2013.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA. Diretrizes para a vigilância do câncer relacionado ao trabalho. Rio de Janeiro: INCA; 2012.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA. Ambiente, trabalho e câncer: aspectos epidemiológicos, toxicológicos e regulatórios / Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. – Rio de Janeiro: INCA, 2021.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Fact sheets. Radon and health. Gene­va: WHO, 2016.

 

Copyright