Notícias

Aviso de pauta: vice-diretor do INCA fala hoje sobre pesquisa que associa bebidas muito quentes a câncer


Publicado: 15/06/2016 | 15h45
Última modificação: 28/02/2018 | 15h49

Bebidas muito quentes podem causar câncer de esôfago, revela a Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (Iarc, na sigla em inglês) da Organização Mundial da Saúde (OMS). Segundo a Agência, o consumo de bebidas  acima de 65 graus foi classificado como "provavelmente carcinogênico para humanos" (grupo 2A).

A pesquisa reuniu um grupo de trabalho de 23 pesquisadores de dez países e tem como base 1000 estudos observacionais e experimentais. Entre os pesquisadores, está o vice-diretor do INCA, Luis Felipe Ribeiro Pinto, que concede entrevista coletiva à imprensa sobre o assunto hoje, às 16h, no prédio-sede do Instituto, na Praça Cruz Vermelha, Centro do Rio de Janeiro. O câncer de esôfago é o mais suscetível de ocorrer em função do consumo de bebidas muito quentes.

“O ideal é que encerrada a fervura, o recipiente com o liquido quente seja colocado sobre uma superfície fria por cerca de cinco minutos para só então ser consumido", ensina Luiz Felipe.

O câncer de esôfago é o oitavo mais frequente no mundo. Em 2016, no Brasil, esperam-se 7.950 casos novos de câncer de esôfago em homens, e 2.860 em mulheres. Sem considerar os tumores de pele não melanoma, o câncer de esôfago é o quinto mais frequente em homens na Região Sul do Brasil e o sexto na Região Centro-Oeste.

A pesquisa mostrou que, em temperaturas normais, a ingestão de café e mate não possui efeito cancerígeno (grupo 3) para os tumores de mama, próstata e pâncreas; enquanto para os tumores de  fígado e endométrio, o consumo de café possui um efeito protetor ao seu desenvolvimento. Os principais resultados foram publicados hoje em um artigo na revista científica The Lancet Oncology. Estudos realizados na China, Irã, Turquia e América do Sul, locais onde o mate e chá são consumidos tradicionalmente muito quentes (acima de 70 graus) revelaram que o risco de câncer de esôfago aumentava de acordo com a temperatura da bebida.

De acordo com o artigo, em estudos de laboratório, a ingestão de água muito quente, entre 65 e 70 graus, aumentou a incidência de tumores de esôfago em camundongos e ratos. "Esses resultados sugerem que o consumo de bebidas muito quentes provavelmente causa câncer de esôfago e que é a temperatura, mais do que a bebida em si, que parece ser a responsável", disse Christopher Wild, diretor da Iarc.

Clique aqui para assistir a coletiva ao vivo pelo YouTube.

Copyright