Notícias

Importância e segurança de cirurgias oncológicas durante pandemia do novo coronavírus são temas de live do MS

Evento marca o Dia Nacional de Combate ao Câncer, lembrando a população que intervenções operatórias  não podem esperar o fim da crise da Covid-19 

Publicado: 27/11/2020 | 09h43
Última modificação: 01/12/2020 | 16h22

Os avanços da cirurgia oncológica e os rigores dos protocolos de segurança em tempos de pandemia. Esses foram alguns dos temas que debatidos entre a diretora-geral do INCA, Ana Cristina Pinho, e Rodrigo Pinheiro, representante da Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica, durante live na sexta-feira, 27, marcando o Dia Nacional de Combate ao Câncer deste ano. A  live está disponível no perfil do Ministério da Saúde no Facebook (https://www.facebook.com/minsaude/).   

O objetivo da live foi esclarecer a população acerca do retorno seguro às cirurgias mesmo em meio à pandemia do novo coronavírus. Também foi possível obter informações sobre o processo de capacitação e qualificação do cirurgião oncológico e da equipe multiprofissional, além de  conhecer os rígidos protocolos de segurança para que o atendimento não seja reduzido em função da crise da Covid-19. Os debatedores incentivaram ainda que pacientes oncológicos realizem procedimentos com cirurgiões que atuam com equipes treinadas.

"A cirurgia começa na pré-habilitação do paciente, inclusive no preparo psiquíco", disse Ana Pinho. "É importante que o paciente [de câncer] não adie a cirurgia". 

Rodrigo Pinheiro afirmou que o segredo do sucesso das cirurgias oncológicas são equipes bem treinadas. "Cirurgia é o tratamento que tem mais chance de agregar cura ao paciente", mensurou. "Para pacientre com risco de câncer, o 'fique em casa' não vale", alertou, enfatizando a busca responsável por tratamento especializado.

Estar incluído no grupo de risco pode ter feito com que pacientes oncológicos (inclusive aqueles recém-diagnosticados) tivessem receio de se contaminar com o coronavírus nas unidades de saúde durante exames, consultas e tratamentos. Some-se a isso o fato de a pandemia da Covid-19 ter afetado os sistemas de saúde de todo o mundo: procedimentos eletivos, incluindo o rastreamento de câncer, foram suspensos na maioria dos países pela necessidade de priorização das urgências e redução do risco de disseminação do novo coronavírus. Em alguns casos, tratamentos (como cirurgias) e consultas de acompanhamento foram suspensas. Todas essas alterações modificaram o fluxo de diagnóstico e tratamento oncológico no mundo. Entretanto, aproximadamente 80% dos pacientes oncológicos precisarão de cirurgia em alguma fase do tratamento. 

Desde 1988, o Dia Nacional de Combate ao Câncer (27 de novembro) tem a finalidade de mobilizar a população quanto aos aspectos educativos e sociais no controle do câncer. Para isso, o INCA e o Ministério da Saúde desenvolvem estratégias que visam a ampliar o conhecimento da população brasileira sobre o câncer e, principalmente, como prevenir a doença. 

Mais cirurgia

A Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica promoveu encontro virtual em seu perfil no YouTube:  https://www.youtube.com/channel/UCLYXNeXnBzqA9iRWs0RrKVg . Com participação de profissionais renomados da oncologia e da saúde do Brasil, o evento abordou diversos assuntos relativos à cirurgia oncológica segura, como: biópsia, pré-operatório, radioterapia, vida pós-tratamento, autoestima e cuidados em tempos de Covid-19.

Acesse a campanha deste ano do Dia Nacional de Combate ao Câncer

Copyright