Notícias

INCA lança versão revisada do Manual de Gestão da Qualidade para Laboratório de Citopatologia


Publicado: 14/04/2016 | 14h43
Última modificação: 05/02/2018 | 12h01

O INCA publicou a 2ª edição atualizada do Manual de Gestão da Qualidade para Laboratório de Citopatologia. A revisão foi necessária para se adequar à portaria nº 3338/2013 que redefine a Qualificação Nacional em Citopatologia na prevenção do câncer do colo do útero (QualiCito). As recomendações apresentadas na publicação buscam contribuir para melhorar a qualidade e confiabilidade dos exames citopatológicos nos laboratório vinculados ao Sistema Único de Saúde (SUS) e auxiliar os gestores e profissionais de saúde no planejamento das ações do controle do câncer do colo do útero no Brasil.

Em 2010, o INCA aplicou questionários destinados para laboratórios de citopatologia que realizam Monitoramento Interno e Externo (MIQ e MEQ) e o resultado, com base nas respostas dadas, foi positiva. Contudo, a segunda fase de análise, onde foram realizadas visitas aos locais, não obteve o mesmo resultado, sendo verificadas diversas falhas no processo. Dessa maneira, em relação ao monitoramento interno, uma das melhorias necessárias é a padronização e normatização das ferramentas. Já do monitoramento externo é definir melhor o papel dos laboratórios responsáveis por esse monitoramento.

Os temas abordados do Manual são apresentados o mais próximo possível da realidade dos laboratórios e gestores. Isso é importante para que a construção e o fortalecimento da capacidade técnica em monitoramento e avaliação ajudem a incorporação dessas práticas incentivadas ao dia a dia dos serviços de saúde.

O câncer do colo do útero é o terceiro mais incidente nas mulheres no Brasil, com exceção do de pele não melanoma, e o exame de Papanicolau é o mais utilizado para o rastreamento. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), com cobertura da população-alvo de no mínimo 80% e com garantia de diagnóstico e tratamentos em casos alterados é possível a redução de em média 60% a 90% da incidência do câncer cervical.
 

Copyright