Notícias

Jornada discute importância dos cuidados paliativos para pacientes oncológicos

Tema deste ano é voltado para aumento na equidade do acesso até 2030

Publicado: 05/10/2021 | 09h51
Última modificação: 07/10/2021 | 12h05

O debate de estratégias para melhorar o acesso da população a equipes de cuidados paliativos é o principal objetivo da “X Jornada de Cuidados Paliativos do INCA”. Realizado anualmente, o evento trará como tema central este ano: “Equidade de acesso – Não deixe ninguém para trás”. Durante o evento, dia 7, às 14h, com transmissão da TV INCA, será lançado o livro Cuidados Paliativos: Vivências e Aplicações Práticas do Hospital do Câncer IV, e haverá palestras de profissionais do Ministério da Saúde e do Instituto. A jornada contará também com uma exposição sobre o panorama atual de acesso a cuidados paliativos no Brasil, políticas públicas e estratégias de apoio (veja a Programação). A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 40 milhões de pessoas ao redor do mundo necessitam de cuidados paliativos ao ano. Mas, apenas 14 % dessas pessoas têm acesso efetivamente.

O Dia Mundial de Cuidados Paliativos é uma data de ação unificada para comemorar e apoiar a prática em todo o mundo. A celebração ocorre no segundo sábado de outubro de cada ano. Anualmente, a The Worldwide Hospice Palliative Care Alliance (WHPCA), organização internacional não governamental que se concentra no desenvolvimento dos cuidados paliativos e hospices, elege um tema para a campanha – o de 2021 é justamente “Não deixe ninguém para trás – Equidade no acesso aos Cuidados Paliativos”, que faz um apelo para o acesso equitativo até 2030.

Desde 2018, para a OMS, os cuidados paliativos são uma abordagem que melhora a qualidade de vida dos pacientes e suas famílias frente ao problema associado à doença com risco de vida, através da prevenção e alívio do sofrimento por meio de identificação precoce, avaliação e tratamento impecáveis da dor e de outros problemas físicos, psicossociais e espirituais.

No INCA, esse a implementação desse conceito de cuidado se iniciou em 1986, no Hospital do Câncer II, com o programa de atendimento ao paciente fora de possibilidade terapêutica. Com a crescente demanda, o programa passou a ser um serviço (Suporte Terapêutico Oncológico).

Com o trabalho mais consolidado, o primeiro serviço de cuidados paliativos do Hospital do Câncer I foi inaugurado em 1991. No ano de 1998, foi criada a unidade de cuidados paliativos com a construção de um prédio totalmente dedicado ao acolhimento dos pacientes encaminhados das demais unidades assistenciais do Instituto Em 2004, houve unificação da nomenclatura de hospitais do INCA, e a unidade passou a ser denominada Hospital do Câncer IV.

Copyright