Notícias

Nota de falecimento

John Gordon McVie era reconhecida autoridade internacional em assistência, gestão e pesquisa oncológica

Publicado: 05/02/2021 | 09h43
Última modificação: 05/02/2021 | 09h55

O INCA lamenta o falecimento do professor John Gordon McVie, ocorrido no dia 21 de janeiro. Reconhecida autoridade internacional em assistência, gestão e pesquisa oncológica, McVie liderou inúmeras iniciativas globais para o controle do câncer. Dentre suas prestigiadas realizações, destacam-se as ações que coordenou para reduzir as desigualdades relacionadas à doença em todo o mundo. Em sua significativa contribuição científica, McVie redigiu mais de 350 artigos, além de editoriais e livros.

McVie foi um importante colaborador do INCA, estimulando parcerias internacionais e, particularmente, auxiliando no financiamento de projetos de pesquisa, principalmente no da Swiss Bridge Foundation, que já ultrapassa uma década. Nesse sentido, o Instituto reconhece a relevância de seus ensinamentos e de seu legado, que, como grande defensor da pesquisa e da ciência, mostrou ao mundo como esses pilares são fundamentais para avançar-se no controle do câncer. Dessa forma, este Instituto reafirma que esses pilares continuarão a ser incansavelmente perseguidos por nossas equipes.

Ao longo de sua carreira, McVie atuou em vários comitês, incluindo a Associação Americana de Pesquisa do Câncer e a Sociedade Americana de Oncologia Clínica, e os conselhos dos Institutos Nacionais do Câncer da França, Itália e Holanda. No Reino Unido, ele atuou em conselhos de Institutos de Câncer, incluindo o Beatson Institute for Cancer Research, o Institute for Cancer Research e o Christie Hospital. Dentre outras atuações na área de ensino e consultoria, McVie foi professor visitante, na King's College London e consultor sênior de Pesquisa Clínica no Instituto Italiano de Oncologia Molecular (IFOM), de Milão.

No que se refere à área de assistência, McVie implementou inovações como o estabelecimento da administração de quimioterapia localizada e mais precisa e o incentivo ao uso da quimioterapia para o tratamento do câncer de pulmão em toda a União Europeia. Ele também enfatizou a importância de ajustar o manejo do paciente de acordo com sua etnia. 

Copyright