Observatório da Política Nacional de Controle do Tabaco

Exportação de fumo e seus derivados


Última modificação: 13/07/2020 | 16h00

 

Exportação de fumo em folha

 

Os dados das exportações nacionais de fumo extraídos do sistema Comex Stat[i] do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior-MDIC indicam um crescimento para o período entre 2000 e 2009 das exportações de fumo em folha pré e pós-processamento (i)

O Brasil exportou na primeira metade da década passada (entre 2000 e 2004), em média, 353 mil toneladas ao ano de tabaco pré-processado. A partir de 2007, o país elevou esse volume para mais de 500 mil toneladas, superior ao que vinha sendo observado. Em 2010, houve uma queda na quantidade de tabaco exportada, mas a tendência das exportações do fumo pré e pós-processamento cresceu até 2012.

Em 2013 se percebe uma queda discreta no volume de exportações que se confirmou em 2014 (-24%), ficando inferior ao volume exportado em 2010 (gráfico 1). A desvalorização da moeda brasileira permitiu uma pequena elevação no volume exportado de 2015, contudo a receita foi inferior. Após 2016 o volume exportado vem apresentando pequenas reduções.

A exportação de fumo em 2018 apresentou uma leve queda, segundo a explicação do presidente do Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (Sinditabaco), Sr. Iro Schünke, pelo fato de que a China, que tem adquirido entre 40 e 45 mil toneladas por ano, retardou parte de suas compras de 2018, que acabaram sendo embarcadas só no início de 2019, assim influindo no volume total ao final do ano[ii].

Gráfico 1 – Toneladas de fumo em folha brasileiro exportadas entre 2005-2019
Fonte: Comex Stat -MDIC

 

(i) O fumo pré-processamento são os volumes de produtos do tabaco não manufaturados, ou seja, antes da etapa de processamento ser realizada, e equivale às categorias de 2401.10.10 a 2401.20.90 da Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM). O fumo pós-processamento refere-se aqueles volumes de produtos do tabaco considerados após a etapa de processamento, equivalente às categorias 24.01.30.00 e toda a seção 24.03 da NMC.

 

Principais destinos do fumo brasileiro

De acordo com os dados de 2019, extraídos do sistema Comex Stat1 do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, os 8 principais países importadores são: Bélgica (16%), China (12%), Estados Unidos  (5%), Indonésia (3%), Alemanha (2%), Rússia (2%), Paraguai (2%) e Egito (1%), representados no gráfico 2. Entre os anos de 2010 e 2019, o total de toneladas de fumo em folhas caiu 6%, segundo dados do mesmo sistema.

No gráfico 2 verifica-se a queda nas exportações para China em 2018, conforme informação do Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (Sinditabaco) pelo fato de parte de suas compras de 2018, terem sido embarcadas só no início de 2019, assim influindo no volume total ao final do ano2, sendo confirmado pelo volume apresentado em 2019.

 

Gráfico 2 - Principais países importadores de fumo em folha (toneladas) brasileiro entre 2010 e 2019.
Fonte: Comex Stat -MDIC

 

Balança Comercial Brasileira 2019

No relatório consolidado da Balança Comercial de 2019[i], as exportações de fumo ocuparam o 22º lugar no ranking dos produtos exportados, segundo dados do Siscomex/Ministério da Economia, Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Neste ano o fumo respondeu por 0,9% das exportações totais nacionais.

A Tabela 1 apresenta a evolução da representatividade do valor exportado do fumo brasileiro em relação ao total de exportações registrado no Comex Stat/MDIC, entre os anos de 2010 e 2019.

.

Tabela 1: Evolução da exportação de fumo na balança comercial brasileira
Fonte: Comex Stat -MDIC

 

Exportação de cigarros

No período entre 2006 e 2016 a exportação de embalagens com vinte unidades de cigarros, registrada no sítio da Receita Federal, reduziu de 45.876.966 a 6.068.839 embalagens respetivamente, representando uma queda de 86%.

Já após 2017, as exportações apresentaram forte elevação, dado o impacto do envio de cigarros à Argentina (Gráfico 3).

 

Gráfico 3 - Exportações de cigarros entre 2006 - 2019

 

Leitura sugerida:

Observatório da Política Nacional de Controle do Tabaco - Status da Política - Alternativas à fumicultura.

 

Referências:

1 http://comexstat.mdic.gov.br/pt/home

http://www.mdic.gov.br/index.php/comercio-exterior/estatisticas-de-comercio-exterior/balanca-comercial-brasileira-acumulado-do-ano/2-uncategorised/3056-balanca-comercial-janeiro-dezembro-2017

 ----------

 Todos os direitos reservados. A reprodução, adaptação, modificação ou utilização deste conteúdo, parcial ou integralmente, são expressamente proibidas sem a permissão prévia, por escrito, da Secretaria Executiva da Comissão Nacional para Implementação da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco/INCA/MS e desde que não seja para qualquer fim comercial.

Copyright