Causas e Prevenção

Prevenção da iniciação


Última modificação: 21/08/2018 | 11h53

A Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco (CQCT), primeiro tratado internacional de saúde pública da história da humanidade tem como objetivo proteger as gerações presentes e futuras das devastadoras conseqüências sanitárias, sociais, ambientais e econômicas geradas pelo consumo e pela exposição à fumaça do tabaco. Crianças, adolescentes e jovens têm sido expostos cada vez mais precocemente aos fatores de risco, especialmente ao tabagismo.  A prevenção da iniciação está prevista na Convenção que, em seus princípios norteadores, reforça o direito das pessoas à informação sobre a gravidade dos riscos decorrentes do consumo de tabaco; o direito de acesso aos mecanismos de prevenção à iniciação e de apoio para cessação de fumar; além da proteção de toda pessoa contra a exposição involuntária à fumaça do tabaco.

A maioria dos fumantes se torna dependente até os 19 anos. Por esse motivo, a Organização Mundial da Saúde (OMS) considera o tabagismo uma doença pediátrica. 
Não obstante, os fabricantes de produtos derivados de tabaco desenvolvem estratégias diversas para aliciar adolescentes e jovens para repor o seu mercado consumidor. Nesta perspectiva ações de promoção da saúde e de prevenção são extremamente importantes.  

Para conter a epidemia do tabagismo é necessário adotar inúmeras estratégias. Dentre elas é preciso avançar no controle de vendas para menores; oferecer acesso a programas  de educação e conscientização sobre os riscos que os produtos derivados de tabaco acarretam à saúde, bem como oferecer programas de formação específicos voltados aos profissionais da saúde, da educação e outros.
É importante conscientizar o público sobre as questões relacionadas ao controle do tabaco assegurando o direito à saúde a todos, em especial, às crianças, adolescentes e jovens.