Câncer

Transplante de medula óssea


Última modificação: 24/11/2018 | 11h41

Transplante de medula óssea

O Tratamento

01
O que é o transplante e quando deve ser feito?

O transplante de medula óssea é um tipo de tratamento proposto para algumas doenças que afetam as células do sangue, como as leucemias e os linfomas e consiste na substituição de uma medula óssea doente ou deficitária por células normais de medula óssea, com o objetivo de reconstituição de uma medula saudável. O transplante pode ser autogênico, quando a medula vem do próprio paciente. No transplante alogênico a medula vem de um doador. O transplante também pode ser feito a partir de células precursoras de medula óssea, obtidas do sangue circulante de um doador ou do sangue de cordão umbilical.

Este tipo de tratamento é proposto em casos de doenças no sangue como a anemia aplástica grave (que se caracteriza pela falta de produção de células do sangue na medula óssea); mielodisplasias e em alguns tipos de leucemias (tipo de câncer que compromete os leucócitos, afetando sua função e velocidade de crescimento). Nesses casos, o transplante é complementar aos tratamentos convencionais, como a leucemia mieloide aguda, leucemia mieloide crônica, leucemia linfoide aguda. No mieloma múltiplo e linfomas, o transplante também pode ser indicado.


02
O que é medula óssea?

É um tecido líquido-gelatinoso que ocupa o interior dos ossos, sendo conhecida popularmente por 'tutano'. Na medula óssea são produzidos os componentes do sangue: as hemácias (glóbulos vermelhos), os leucócitos (glóbulos brancos) e as plaquetas. As hemácias transportam o oxigênio dos pulmões para as células de todo o nosso organismo e o gás carbônico das células para os pulmões, a fim de ser expirado. Os leucócitos nos defendem das infecções. As plaquetas compõem o sistema de coagulação do sangue.


03
Como é feito o transplante?

O processo tem início com testes específicos de compatibilidade, onde são analisados amostras do sangue do receptor e do doador para que se tenha a total compatibilidade entre as partes e a medula não seja rejeitada pelo receptor. A partir disto, o doador é submetido a um procedimento feito em centro cirúrgico, sob anestesia, e tem duração de aproximadamente duas horas. São realizadas múltiplas punções, com agulhas, nos ossos posteriores da bacia e é aspirada a medula. Esta retirada não causa qualquer comprometimento à saúde.

Para receber o transplante, o paciente é submetido a um tratamento que ataca as células doentes e destrói a própria medula. Então, ele recebe a medula sadia como se fosse uma transfusão de sangue. Uma vez na corrente sanguínea, as células da nova medula circulam e vão se alojar na medula óssea, onde se desenvolvem.


04
Quais os possíveis riscos para o paciente e para o doador?

Para o paciente, os principais riscos se relacionam às infecções e às drogas quimioterápicas utilizadas durante o tratamento. Com a recuperação da medula, as novas células crescem com uma nova 'memória' e, por serem células da defesa do organismo, podem reconhecer alguns órgãos do indivíduo como estranhos. Esta complicação, chamada de doença enxerto contra hospedeiro, é relativamente comum, de intensidade variável e pode ser controlada com medicamentos adequados. No transplante de medula, a rejeição é relativamente rara, mas pode acontecer. Por isso, existe a preocupação com a seleção do doador adequado e o preparo do paciente.

Para o doador, os riscos são poucos. Dentro de poucas semanas, a medula óssea estará inteiramente recuperada. Uma avaliação pré-operatória detalhada verifica as condições clínicas e cardiovasculares do doador visando a orientar a equipe anestésica envolvida no procedimento operatório. Os sintomas que podem ocorrer após a doação - dor local, astenia (fraqueza temporária), dor de cabeça, em geral - são passageiros e controlados com medicamentos simples, como analgésicos.

Principais sinais de alerta após o transplante

Se você for paciente do INCA, deverá entrar em contato com a equipe do CEMO, a qualquer hora, nas seguintes situações:

Febre (temperatura igual ou maior que 38º C)
Calafrios ou mal estar
Problemas com o cateter
Mudanças na cor ou na consistência das fezes
Qualquer tipo de alteração na pele
Tosse ou falta de ar
Enjôo e vômitos
Dificuldades de tomar a medicação prescrita (por enjôo, vômitos etc)
Dores em qualquer local do corpo
Contato com pessoas portadoras de doenças infecciosas, como: catapora, tuberculose, herpes, doenças venéreas, sarampo, rubéola, entre outras.


Abaixo estão os órgãos mais sensíveis ao transplante de medula óssea. Observe e entre em contato com o local de tratamento caso perceba:

Pele
  • Erupções ou vesículas (bolhas)
  • Coceiras
  • Alterações na textura: ausência de elasticidade ou endurecimento da pele
  • Mudança na cor da pele
Boca
  • Secura
  • Dor
  • Sensibilidade para alguns tipos de alimentos, cremes dentais e soluções antissépticas
  • Sangramentos
  • Inchaços
  • Dor e perda de dentes
  • Ferimentos
  • Aparecimento de cáries
Olhos
  • Vermelhidão, irritação e secreções
  • Alterações da visão
  • Sensação semelhante à areia nos olhos
  • Secura e ausência lágrimas ou hiperlacrimejamento
Trato Gastro-intestinal
  • Diarréias ou dores abdominais persistentes devem ser comunicadas, pois podem ser manifestações da doença enxerto-contra-hospedeiro
  • Falta de apetite
  • Perda de peso
  • Enjôo e vômitos
  • Aumento do número de evacuações e modificações na consistência, cor, odor ou presença de sangue nas fezes
Trato genital e urinário
  • Mudança no aspecto da urina: cor, odor, secreções ou sangramentos
  • Dor ou necessidade freqüente de urinar
  • Modificações no fluxo, intensidade e número de dias nos períodos de menstruação
Vias aéreas superiores e pulmões
  • Acúmulo de secreções em vias aéreas(nariz, boca, faringe)
  • Resfriados
  • Tosse (com ou sem secreção)
  • Dificuldades para respirar
  • Sangramento pelo nariz ou dores de cabeça
Predisposição às infecções

Durante o primeiro ano as defesas contra infecções ainda não estão recuperadas. Portanto, todo cuidado é pouco para prevenir infecções.

Evite contato com animais, plantas e pessoas com doenças contagiosas (como sarampo, catapora, caxumba e outras). Entre em contato conosco caso tenha tido contato com pessoas com essas doenças.

Evite contato com crianças que receberam vacinas de sarampo, rubéola e Sabin(para poliomielite), pois os vírus destas vacinas serão eliminados durante 3 a 4 semanas.

Algumas infecções podem ser transmitidas por germes encontrados em piscinas, açudes, lagoas e praias. Evite tomar banho nestes locais ao longo do primeiro ano depois do transplante.

Evite receber muitas visitas. Muitas pessoas podem portar infecções sem perceber.

O dia a dia após o transplante

Use sabonete do tipo hidratante sem perfume
É recomendado creme hidratante, a base de vitamina A, uréia ou lactato de amônia após o banho
É permitido o uso de desodorante hipoalergênico (que não causa alergia) em creme ou talco antisséptico. Caso tenha dificuldades em obter o produto, faça apenas a higiene das axilas com sabonete antisséptico
Evite maquiagem, cosméticos, perfume e qualquer substância que possa irritar a pele. Você poderá voltar a usar estes produtos sob orientação do dermatologista do CEMO
Não use qualquer produto em aerossol, a menos que seja por recomendação do médico
Você poderá fazer depilação com cremes apropriados após avaliação e orientação do especialista.


Abaixo estão os órgãos mais sensíveis ao transplante de medula óssea. Observe e entre em contato com o local de tratamento caso perceba:

Cuidados com pele

A pele é especialmente sensível ao tratamento e pode manifestar precocemente a doença enxerto-contra-hospedeiro (reação das células transplantadas contra o organismo do receptor).

Os transplantados têm risco aumentado de câncer de pele, portanto não se exponha ao sol, principalmente no primeiro ano pós-TMO.

  • Use chapéu ou sombrinha, além de roupas que protejam do sol.
  • Evite sair de casa nos horários em que o sol esteja mais forte.
  • Use filtro com fator de proteção solar 30 (em gel ou livre de óleo).
Cuidados com a região da pele ao redor do ânus
  • Use papel higiênico macio
  • Faça a higiene com água morna e sabão antisséptico.
Cuidados com a boca

Os cuidados com a higiene da boca são necessários em todas as etapas do tratamento, desde o início da internação (no período pré-TMO). É preciso seguir as orientações do cirurgião-dentista especialista que vai avaliá-lo.

Na alta hospitalar recomenda-se manter a escovação ao acordar, depois de todas as refeições e antes de dormir. A escovação deve ser feita com escova macia, para evitar sangramentos, e creme dental com flúor. O fio dental deve ser utilizado somente com orientação do cirurgião-dentista especialista, antes da escovação para remover os resíduos de alimentos que se acumulam entre os dentes e não são removidos pela escova.

Após escovar os dentes, passe a escova levemente sobre toda a extensão da parte superior da língua para remoção dos resíduos alimentares. Durante a internação deve ser feita escovação dentária com escova extra macia e creme dental com enzimas bactericidas, além de se usar hidratante labial com vitamina E.

É aconselhável consultar o dentista três meses depois do transplante. Consulte o cirurgião-dentista especialista para ser realizado o exame da cavidade oral.

Após o TMO há redução de saliva, o que predispõe às cáries e doença periodontal (gengiva e osso)

Caso a criança receba irradiação no corpo todo na época do desenvolvimento dos dentes permanentes, ela deve ser examinada e acompanhada

Mantenha os lábios umedecidos com hidratante labial com vitamina E ou com manteiga de cacau, óleo mineral e/ou filtro solar labial, quando necessário.

Máscara, higienização e uso do cateter
O uso da máscara

A máscara será necessária até a liberação do seu médico

Três meses depois do transplante não será mais necessário usar máscara na presença das pessoas que vivem regularmente com você e familiares que não tenham doenças contagiosas

A máscara deve ser mantida quando você estiver em contato com outras pessoas

Evite muitos visitantes, pessoas doentes e crianças em idade escolar (que adquirem com frequência infecções por vírus e outros germes na escola, sem perceber)

Evite aglomerações em locais públicos, como lojas, supermercados, shoppings, cinemas

Você não precisará da máscara quando estiver sozinho ou em lugares abertos.

Lavagem das mãos

A lavagem cuidadosa das mãos é tão importante quanto o uso da máscara porque muitas doenças são transmitidas por meio do contato manual.

É essencial lavar as mãos depois de ir ao banheiro e antes das refeições; Mantenha as unhas aparadas e limpas. Tenha cuidado para não se ferir ao cortar as unhas

A pessoa que estiver cuidando de você também deve lavar as mãos frequentemente.

Cateter venoso

O cateter é muito importante para o tratamento. Você continuará recebendo medicamentos e colhendo amostras de sangue para exames através dele.

01
Como fazer o curativo do cateter?

  1. Lave as mãos com água e sabão
  2. Seque as mãos com toalha limpa
  3. Descole o esparadrapo com uma gaze embebida em soro fisiológico
  4. Remova o curativo
  5. Limpe primeiro a área da pele ao redor da saída do cateter, com uma gaze embebida em solução alcoólica de clorohexidina 0,5%
  6. Pegue outra gaze embebida em solução de clorohexidina e limpe a pele ao redor do cateter
  7. Cubra com gaze e prenda com esparadrapo antialérgico

Comunicar quaisquer alterações: secreções, sangramentos, aumento do comprimento da parte do cateter que fica do lado de fora (saída do cateter), vermelhidão, dor e inchaço.

Atenção:
A cada troca do curativo, faça rodízio nos locais de fixação do esparadrapo para evitar irritação da pele. Converse com os enfermeiros se tiver qualquer dúvida.

Medicamentos e alimentação

Medicamentos

Você vai tomar uma grande quantidade de medicamentos depois do TMO. Em caso de dúvidas, procure a equipe do CEMO, já que é fundamental que os remédios sejam usados adequadamente.

Orientações nutricionais e sobre sua alimentação

Você será orientado por um nutricionista quanto à alimentação que deverá seguir depois do TMO. Será agendada uma entrevista com o nutricionista do CEMO na época da alta.

Alimentos contaminados podem transmitir doenças. Por isso, toda atenção é necessária aos alimentos manipulados ou crus (que podem estar contaminados).

Segurança na preparação dos alimentos
  1. As carnes devem ser bem cozidas (bem passadas), sem partes cruas ou rosadas.
  2. Descongele as carnes vermelhas, peixes ou aves na geladeira ou no microondas.
  3. Não deixe alimentos perecíveis fora da geladeira por mais de duas horas. Em caso de febre, entre em contato com a equipe do CEMO imediatamente.
  4. Alimentos com ovos, cremes ou à base de maionese não devem permanecer fora da geladeira por mais de uma hora.
  5. Divida grandes quantidades de alimentos em pequenas porções guardadas em potes rasos. Deixe na geladeira somente o alimento que for consumido nos próximos dois ou três dias. Congele o restante.
  6. Lave exaustivamente as frutas e vegetais em água corrente e deixe de molho em solução sanitizante própria para alimentos antes de descascar ou cortar.
  7. Lave a embalagem dos alimentos antes de abri-los.
  8. Não use o mesmo talher da preparação do alimento para experimentá-lo.
  9. Não prove alimentos que estejam com cheiro de azedo ou estragado.
  10. Cozinhe os ovos até a clara estar completamente dura e a gema espessa.

01
Atenção ao comprar alimentos

  • Checar a data de fabricação e validade do produto, principalmente carnes, aves e peixes;
  • Observar o odor, presença de insetos ou corpos estranhos;
  • Não comprar alimentos com embalagens danificadas ou estufadas;
  • Selecione os vegetais e frutas mais frescos, sem áreas amassadas ou estragadas;
  • Evite salgadinhos e sobremesas não refrigeradas;
  • Evite estocar alimentos por longo tempo.

02
O que você deve evitar?

  • Carnes cruas ou defumadas e frutos do mar;
  • Ovos crus ou preparações que usem ovos mal passados;
  • Produtos não pasteurizados: queijos, iogurte, mel, leite e derivados;
  • Maionese ou cremes que permaneceram fora da refrigeração por muito tempo;
  • Água que você não tenha certeza que esteja bem filtrada;
  • Produtos de fabricação caseira de origem pouco conhecida;

Orientações para retorno às atividades

É muito importante o seu retorno à vida social após longo período de internação. Portanto, estar em sua casa, com as pessoas com quem convive, será fundamental para sua recuperação. Entretanto, é importante seguir as recomendações da Equipe CEMO na alta hospitalar.

Diante disso, fazem-se necessárias algumas observações da Equipe, que reforçarão as orientações e encaminhamentos feitos no Pré–transplante, como:

  • Questões referentes ao gerenciamento do seu próprio cuidado
  • Situação habitaciona
  • Situação previdenciária
  • Avaliação sobre acomodação (caso resida longe e precise vir diariamente ao hospital)
  • Situação de trabalho e/ou educacional
  • Alimentação saudável
  • Boa higiene (mãos, corpo, boca, vestimentas, ambientes etc)
  • Cuidados com curativos e medicamentos
  • Outras situações importantes para seu retorno seguro

Não se assuste se perceber algumas dificuldades de memória. Leve sempre consigo uma agenda para anotar tudo que for importante.

Seja paciente consigo mesmo e com os outros. A recuperação é um processo lento, mas progressivo.

Para isto, mantenha um programa de boa alimentação, descanso e exercícios leves. Evite ficar parado o dia inteiro. Mesmo que não tenha vontade, tente se movimentar. Consulte seu médico quanto à intensidade dos exercícios.

Em caso de dúvidas ou necessidade de orientações específicas, agende na recepção integrada do CEMO sua consulta com o profissional da Equipe (assistente social, enfermeiro, nutricionista, fisioterapeuta, psicólogo, odontologista, dermatologista, oftalmologista e outros).

Em geral, depois do período de um ano após o transplante você poderá voltar às suas atividades normais.

Escola e trabalho

Sugerimos que você aguarde até o fim do primeiro ano após o transplante para retornar à escola e ao trabalho.

As crianças só deverão retornar as aulas na escola após o início da vacinação. Entretanto, se estiver ao seu alcance, você poderá ter aulas em casa. Consulte o Serviço Social do CEMO para mais orientações quanto à inclusão do seu filho na Lei Especial de Ensino.

Trabalhar em casa também é recomendável (desde que observados os riscos quanto a cortes e traumas descritos nesta cartilha).

Atividades sociais e esporte

Se tudo correr bem, após um ano você poderá retornar às suas atividades, gradativamente, de acordo com sua necessidade e tolerância.

Atividade sexual

É importante que os parceiros conversem sobre o assunto, expressem seus sentimentos e, principalmente, que sejam pacientes uns com os outros.

O transplante de medula não leva à cessação da atividade sexual nem impotência (disfunção erétil), embora possa causar diminuição da libido e infertilidade.

Algumas dificuldades poderão ocorrer nesta área, porém não há regras.

Sinta-se à vontade para pedir esclarecimentos à equipe do CEMO sobre suas dúvidas. Fale abertamente conosco sobre seus problemas. Nenhuma questão é tola ou sem importância.

Lista Assuntos